O que significa amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo?
Tamanho do texto:

O que significa amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo? Você já parou para se fazer esta pergunta?

Eu tenho a impressão de que esta grande verdade da vida, está sendo vivida de forma bastante teórica. A gente entende o amor de forma bastante teórica. Então, eu acredito que a primeira coisa que precisa mudar, que precisa ser curada, é o que eu penso sobre o amor. Quando você traz aquilo que possui de pior para a relação com os outros, isso é amor? Nós não temos o direito de entrar na vida dos outros se não for para somar valores, caso contrário, é melhor ficar de fora. Quanto mais a gente ama, mais a gente juntos se constrói. O amor não se desgasta, o amor não tem prazo de validade.

Porque Jesus resumiu toda a vontade de Deus nestes dois pedidos: Ame a Deus e ame o teu semelhante como você ama a si mesmo? Jesus sabia que a falta de amor entristece a vida, e por a entristecer, a adoece. Quantas vezes, talvez você já foi atingido pelo “amor estragado” dos outros. E a gente vai secando, vai murchando, como uma flor, que no calor clama por água. Se olharmos para o que anda acontecendo nas ruas, nos lugares que se encarregam de divertir pessoas, especialmente nossos jovens, se olharmos para o que acontece dentro de nossas casas, percebemos que está todo mundo querendo saber o que é o amor. Quanto jovem, quanta criança, quanto adulto, quanto idoso por aí sofrido, vítima do “amor estragado”. Todos nós, em algum momento da nossa vida, somos atingidos pelo amor estragado de alguém. E eu pergunto: o que fazemos com isso? Onde está guardado? Fez a digestão? Infelizmente, muito desse amor estragado do passado, está lá dentro de nós, e o que é pior, provocando comportamentos hoje. Não existe um futuro seguro, sem medo, se não colocarmos o passado em ordem com Deus.

Gente amada de Deus! Quando eu digo que amo a Deus, eu digo também do lado avesso que ama a mim mesmo. O amor ao outro á amor manifestado a si mesmo. Ou o contrário também: o ódio, o mal feito ao outro, é ódio, é mal realizado a mim mesmo. Pronto, é isso que Deus quer que a gente entenda. O tempo que hoje nos envolve, que hoje nos faz pensar, que questiona pensamentos e ações, é um tempo que nos mostra a importância de estar com a vida e os valores em ordem. É preciso estar em ordem, curar os afetos, as emoções. É como o processo de limpar a geladeira, de jogar fora o que está estragado. Isso é genuinamente viver de forma cristã, viver o batismo diariamente. Lavar-se interiormente, lavar o que nos polui, lavar o que nos impede de ser uma pessoa melhor em tudo o que faz e fala.

Como cristãos e cristãs, não somos um terreno baldio. Aquele lugar, onde geralmente cada um passa e joga o seu lixo. E se tornou baldio justamente por isso, porque alguém permitiu que o primeiro fosse jogado. Nosso próximo não é um terreno baldio, onde eu me aproximo e jogo meu lixo, descarrego meu ódio, minha insatisfação. Querido povo de Deus! Amar a Deus sobre todas as coisas, ao outro, como a si mesmo, requer processo de limpeza, seja ela mental, na forma como penso as coisas que me dizem respeito, na forma como avalio minhas prioridades, da forma em que entendo a vida neste mundo, seja ela também afetiva: o que quero guardar, o que me faz bem e aquilo que quero lançar fora, o estragado que me faz ser desumano, infeliz e ingrato, e egoísta. Lançar fora o que me impede de perdoar ou de pedir o perdão.

O tempo que dedicamos para o cuidado de nós mesmos, para a limpeza interior, para o amadurecimento emocional e espiritual, o tempo que você dedica aos sofridos, aos desanimados, aos doentes, aos enlutados, aos pobres, é o tempo que você dedica para Deus. O bem a ser dito começa pelo bem a ser feito. Não dá para amar a Deus, sem crescer, sem se tornar melhor. Não dá para amar a Deus sem querer compromisso com outros, com a igreja e seu trabalho. Não dá para amar a Deus, sem ser capaz de percebê-lo agindo nos acontecimentos da vida, até mesmo naquelas situações que muitas vezes a gente questiona: porque Deus permitiu que isso acontecesse? Tudo isso está aí para nos ensinar, para nos mostrar algo, que com a ajuda de Deus seremos capazes de compreender, de conseguir atribuir um sentido para o que muitas vezes nos representou uma desgraça. Precisamos aprender com os acontecimentos da vida.

Então gente amada, gente que possui nome e dono, vamos ter a coragem de nos posicionar entre estes dois lados. O cuidado que eu tenho com minha própria vida, com a saúde da minha vida de fé, com a saúde dos meus afetos e emoções é o que me ajuda a olhar e a entrar na vida do outro com mais cuidado, com mais respeito e comprometimento. E aí, quem sabe redescobrir a graça de viver, de amar não mais de forma tão teórica e bem mais concreta. E aí quem sabe, descobrir o que é preciso para ser feliz e fazer outros felizes. Mas para isso é preciso querer. Deus faz a sua parte, é preciso que nós façamos a nossa também. Por isso, cuidado com o que você pede a Deus, pois muitas vezes pedimos a Ele aquilo que somente nós mesmos podemos fazer.

É preciso criar um espaço dentro de ti, jogar fora o que não te ajuda a viver melhor. É preciso criar um espaço para que as coisas novas cheguem em tua vida, para que a Paz de Deus possa te envolver e aos poucos contagiar também os que estão ao redor de ti.

Lembra-te: a tua vida é o presente mais belo. Vive-a intensamente e lute, lute muito, para que este mundo possa ser a cada dia um lugar melhor para todos viver, de forma mais digna, em paz e felizes. Amém.

 

Pa. Eliana Lisandra Weber

 
 
REVISTA SINODAL
 
Rua Barão do Rio Branco, 828
Bairro Rio Branco - Estância Velha - RS

Fone: (51) 3561-2905
Fax: (51) 3561-2905
 

HOME | IECLB | PARÓQUIAS | DIA DA IGREJA | NOTÍCIAS | REVISTA SINODAL

MEDITAÇÕES | TESTEMUNHOS | VÍDEOS | PARCEIROS | CONTATO | MURAL DE RECADOS
 
© 2012 Todos os direitos reservados.
Mantenha seu navegador de internet sempre atualizado.
Schuch Birô - Web & Criação